Após queda, preço do suíno reage

Após acumular queda de 30%, no primeiro bimestre, os preços dos Suínos pagos aos produtores começaram a reagir este mês. A alta dos grãos, contudo, ainda preocupa os criadores, que reclamam que os leilões de Milho feitos pelo governo não estão conseguindo arrefecer as cotações do insumo.
Após queda, preço do suíno reage porco1

Conforme a Informa Economics FNP, o quilo do suíno vivo caiu 30,8% no primeiro bimestre do ano, e o da carcaça no atacado cedeu 26,9%, ambos em São Paulo. Mas desde o piso alcançado pelo suíno vivo no fim de fevereiro – R$ 2,29 o quilo, menor patamar desde 2007 – o animal valorizou-se 9%, passando a R$ 2,50 o quilo, no dia 16 de março. A carcaça vendida no atacado do Estado teve recuperação de 3,2% em março, com valor médio de R$ 4,40/quilo. “A tendência de alta deve se firmar”, diz o analista Aedson Pereira da Silva. Ele aposta da recuperação das exportações e na demanda interna ao longo de 2011 para segurar os preços.
Mas os produtores seguem preocupados com a valorização dos grãos, que reduz os lucros. Hoje, cada quilo de suíno vivo compra 4,4 quilos de Milho em São Paulo (saca a R$ 34,00), segundo a consultoria. No fim de fevereiro, a relação de troca estava um pouco pior – 4,24 quilos de Milho/quilo de suíno. A melhora, portanto, ainda é tímida. Milho e farelo de soja representam 50% dos custos.
O diretor-executivo da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos, Fabiano Coser, crê que as cotações dos insumos não devem subir mais, mas não deverão recuar muito. “Temos que absorver o novo valor das commodities.” O mercado interno é uma aposta. “Queremos chegar ao consumo per capita doméstico de 15 quilos até 2012. A cada um quilo de aumento, são mais de 100 mil matrizes no campo”, diz.
Autora: Suzana Inhesta. Fonte: O Estado de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *