Verão, o vilão para a saúde do caminhoneiro

A rotina do carreteiro é intensa, com compromissos e prazos apertados a serem cumpridos. Além disso, ele ainda passa muitos dias fora de casa, o que pode levar a um stress ainda maior, devido à saudade ou à impossibilidade de ajudar em algum problema doméstico.
O estresse, aliado aos maus hábitos alimentares e à falta de exercícios físicos é prejudicial à saúde, entretanto outro fator pode ser adicionado à soma: o clima. Enfrentar mudanças climáticas intensas durante as viagens de uma região para outra pode ser o estopim para males de saúde.
Verão, o vilão para a saúde do caminhoneiro beba agua1De acordo com o médico Allan Pierre Foltz, ouvido pela revista O Carreteiro, é no verão que estes profissionais, sujeitos à condições estressantes, ficam suscetíveis a distúrbios com maior facilidade. . “Um deles é hipohidratação, por isso é importante que motoristas e viajantes em geral prestem muita atenção ao consumo adequado de líquidos, não só água, mas também de sucos e bebidas ricas em sais minerais que auxiliam na fixação da água no organismo”, aconselha. O médico lembra ainda que ventiladores e ar condicionado refrescam, mas aceleram o processo de perda de líquidos, pois ajudam na evaporação do suor.
Outra preocupação é com alimentos e líquidos contaminados. Nem sempre os bares e restaurantes da beira da estrada tem condições adequadas de higiene, por isso é preciso ficar atento, principalmente, com alimentos manipulados, fritos e até mesmo os assados. O ideal é consumir produtos frescos ou refrigerados. A mesma preocupação vale para a água, que deve ser filtrada ou mineral, caso contrário o risco de contaminação é grande.
Por fim, não podemos esquecer que a incidência de raios solares é maior nesta época do ano, por isso o uso do filtro solar é indispensável. Ele deve ser aplicado em todas as áreas do corpo, mesmo que não estejam diretamente expostas ao sol, como mãos, rosto, orelhas e pescoço. A ação do protetor solar é de aproximadamente quatro horas, entretanto, se houver muito suor, este período é reduzido para apenas duas horas. O protetor deve ter fator de proteção solar (FPS) de, no mínimo, 30 mas os mais branquinhos devem usar o 60.
Fonte: Revista O Carreteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *