Passos para incentivar a solidariedade em seu filho

Para que o seu filho se torne um cidadão do bem — daqueles que auxiliam alguém a atravessar a rua, doam, emprestam —, ele precisa ser motivado desde a infância. E você tem um papel fundamental nessa criação motivando-o. Veja algumas dicas:

Ensine a compartilhar
As crianças estão discutindo por um brinquedo? Simplesmente tire-o delas e diga que você só o devolverá quando elas entenderem que devem brincar juntas ou aprender a emprestar. Assim você evita o individualismo e o egoísmo.

Encoraje as iniciativas solidárias
Caso a escola esteja promovendo alguma ação solidária, estimule seu filho a participar. Pai e mãe também devem se informar sobre o projeto e verificar como podem colaborar efetivamente. É importante explicar o significado de vestir a camisa e se engajar.

Não trabalhe pela criança
A sua não colaboração pode acontecer numa situação simples, como não ajudá-lo a arrumar a bagunça dos brinquedos. É importante que o pequeno entenda que cooperar com a mãe e o pai para manter a casa em ordem é ser solidário.

Evite comparações
Se você tem um filho solidário e o outro não, respeite o jeito de agir de cada um e trabalhe para mudar o cenário. Observe com atenção o cotidiano da criança menos solidária e, ao perceber qualquer atitude generosa dela, elogie e a faça entender que aquilo é solidariedade. Incentive a a agir mais assim.

Apesar de muitos brasileiros serem solidários e não medirem esforços para ajudar o próximo, ainda estamos caminhando muito devagar nesse sentido. Uma pesquisa recente realizada em 153 países do mundo, avaliou que o Brasil ocupa a 76ª posição no ranking mundial de caridade. Os países mais altruístas são Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Irlanda e Suíça. Está aí um bom motivo para desenvolvermos a solidariedade desde a infância.

Passos para incentivar a solidariedade em seu filho 3010 Sustentabilidade Solid%C3%A1ria

A solidariedade é um valor passado de pais para filho(a)s


Fonte: site Planeta Sustentável, por Ana Lúcia Neiva e Ana Carolina Carvalho da Revista Máxima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *