Desmistificando o consórcio de carros – Entenda como funcionam os lances, créditos, bens e contemplações

consórcio de carros

Consórcio é uma associação de várias pessoas que desejam comprar diversos bens como automóveis (carros e motos, novos ou usados), imóveis, terrenos etc. Este grupo de pessoas é organizado por uma administradora, autorizadas a funcionar pelo Banco Central.

É preciso um mínimo considerável de pessoas para que o consórcio de carros dê certo e possa ocorrer o sorteio do mensal do bem envolvido. Isto porque a administradora recolherá um valor mensal de cada uma para juntar o valor total do bem a ser comprado.

Para realizar o sonho do carro próprio, muita gente hoje em dia adota o sistema de consórcio. Principalmente o de carros, pois na maioria das vezes são taxas baixas que cabem no orçamento. É também considerado por muitos um investimento, pois a duração de um consórcio de automóveis varia de 1 a 8 anos.

Para entrar num consórcio de carros novos, ou qualquer outro, procure uma administradora confiável. Esta pesquisa pode ser feita junto ao Banco Central, que contém os dados das administradoras autorizadas a fazer este tipo de negócio. Pode-se entrar num grupo novo ou num grupo que já esteja em andamento.

Assim que a pessoa entra no consórcio de carros novos, ela recebe boletos mensalmente com o valor a ser pago. Neste boleto, precisa ter informações como o número de pessoas contempladas no último mês, as datas dos sorteios e os lances.

Os boletos contém uma taxa administrativa para manter a empresa responsável pelo consórcio. Podem ocorrer reajustes no valor da parcela do consórcio, uma vez que as administradoras seguem os valores de tabelas das montadoras de carro escolhida pelo consorciado.

 

Contemplação, lance e carta de crédito

A contemplação no consórcio de carros novos se dá por duas maneiras: sorteio ou lance. O sorteio envolve as pessoas que estão com as parcelas em dia. Mesmo contemplado, o consorciado deverá pagar todas as parcelas do consórcio até que todos tenham adquiridos os bens.

Já no lance, as pessoas indicam que conseguem antecipar determinadas quantidades de parcelas naquele sorteio. Como num leilão, ganha aquele que der o maior lance. Se o lance da pessoa for menor, ela não perde o dinheiro, apenas pode tentar numa próxima vez.

A carta crédito é recebida pelo consorciado quando o mesmo é contemplado. É um documento que consta o valor a ser usado na compra do veículo, pago diretamente da empresa responsável a quem estiver vendendo o carro.

Caso não tenha pago todas as parcelas do consórcio, o carro fica como garantia da administradora.

 

Como acontece na Carboni

Pode-se também usar parte do valor da carta crédito como lance. Essa operação se chama lance embutido, No consórcio da Carboni, pode custear até 50% do lance com essa modalidade.

Por exemplo, pode-se oferecer 25% do valor de uma carta de crédito de 100 mil reais. Se contemplado, e optar pelo lance embutido 12,5% do valor é pago pelo cliente e 12,5% é extraído do crédito da cota.

Outra informação importante sobre a carta crédito é que o dinheiro da mesma não é pago para o consorciado. O dinheiro da mesma é utilizado na compra do veículo. A administradora do consórcio faz todo o processo de compra assim que o cliente indica o carro e modelo.

É possível também mudar o bem a ser comprado, mas desde que seja um da mesma categoria. Isto é, se o consórcio é de carro, só é possível comprar outro carro, novo ou seminovo, tanto faz.

Se o carro for mais barato, é possível utilizar o dinheiro restante para quitar o consórcio. Se for mais caro, o consorciado completa o que falta.

 

Juros e multas do consórcio de carros

Caso o pagamento das parcelas do consórcio atrasem, existe a cobrança de juros e multas. Além de não poder participar dos sorteios ou lances. E em casos mais extremos, o consorciado pode ser excluído do grupo. Ele pode  vir a sofrer processo e apreensão do veículo, caso o mesmo já tenha sido contemplado.

Se o consorciado perceber que não conseguirá mais pagar as parcelas, o mesmo pode recorrer às seguintes resoluções:

  • Passar sua cota para alguém que tenha interesse em comprar sua parte.
  • Falar com a administradora e verificar algum bem de menor valor que esteja em sorteio, pois assim diminui o preço das parcelas.
  • Pedir à administradora a exclusão do grupo. Ainda assim, o consorciado precisará pagar uma multa e esperar que seja sorteado, para que recupere o dinheiro investido nas parcelas anteriores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *