Agir salva vidas: Setembro Amarelo reforça a luta contra o suicídio

Setembro Amarelo

Apesar de ainda ser tratado como um tabú, o suicídio é um problema muito presente na sociedade. De acordo com dados divulgados pela ação ‘Setembro Amarelo’, são registrados anualmente cerca de 12 mil suicídios no Brasil, e mais de 1 milhão no mundo. Por isso é tão importante reforçar a luta contra esse problema que é causado, principalmente, pela existência de doenças mentais como depressão, transtorno bipolar e abuso de substâncias.

O Setembro Amarelo

Com esse objetivo, foi criada em 2014 a campanha nacional Setembro Amarelo, que realiza ações focadas durante todo o mês para informar sobre os riscos e prevenções contra o suicídio. O dia 10 de setembro é o Dia Mundial da Prevenção ao Suicídio, por isso esse é o mês escolhido pela Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP e o Conselho Federal de Medicina – CFM para realizar a campanha.

Fatores de proteção contra o suicídio

O suicídio é a consequência, principalmente, da falta de apoio e assistência médica profissional. Quando uma pessoa está sentindo sintomas de depressão ou outra doença mental, é fundamental procurar ajuda psiquiátrica. As doenças mentais podem ser tratadas de maneira eficaz, ajudando a evitar não só o suicídio, mas também outras consequências como o autoflagelo ou até o dano a terceiros.

Há alguns fatores que são considerados protetivos para a prevenção do suicídio, como a autoestima elevada, o bom suporte familiar, a capacidade de resolução de problemas, a existência de laços sociais bem estabelecidos, o tratamento terapêutico, as atividades espirituais e religiosas, ter crianças em casa, entre outros. Você pode saber mais sobre os fatores protetivos lendo esta cartilha.

Se você lê essa lista e pensa que não possui fatores protetivos na sua vida, é possível tomar atitudes para aumentar a sua proteção e diminuir os riscos. Você pode tomar ações, passo a passo, para aumentar o contato com familiares e amigos, procurar um tratamento psicológico, iniciar atividades prazerosas e hobbies, reduzir o uso de substâncias, e muito mais. Vale lembrar que isso não precisa depender apenas de você: é possível pedir ajuda e contar com o apoio de pessoas ao seu redor.

Tome ações para salvar vidas

Para lutar contra o suicídio é preciso agir. Se você nota que algum conhecido está apresentando sinais de comportamento suicida, ofereça o seu apoio imediatamente. Escute o que essa pessoa tem para dizer, e a guie para que procure ajuda psiquiátrica. Essa é a maneira mais eficaz de evitar que a sua pessoa querida recupere o seu sentido existencial e não tome decisões drásticas.

E se quem está sendo invadido(a) por pensamentos ou comportamentos incômodos é você, procure imediatamente uma consulta com um psiquiatra. Às vezes, sentimos medo de abrir as nossas emoções. Porém isso é necessário para sanar essa doença, que é totalmente tratável. Um psiquiatra saberá como guiar a consulta para que você se sinta confortável, e também poderá entregar as melhores soluções para te ajudar a seguir em frente com a cabeça erguida. Com o tratamento adequado, você pode melhorar muito a sua qualidade de vida.

Olhos e ouvidos abertos para evitar o suicídio

Como acompanhante, é importante estar sempre atento aos sinais. Como pessoa que sofre de transtornos mentais, é fundamental ter a força e abertura para procurar ajuda rapidamente. Dessa forma, vamos juntos lutando contra esse grave problema e preservando a vida das pessoas que amamos (incluindo a nós mesmos). Saiba mais sobre a campanha Setembro Amarelo aqui.

Fique por dentro de notícias e informações

Para mais notícias e informações, inscreva-se grátis na Newsletter do Blog da Carboni e receba as próximas atualizações direto na caixa de entrada do seu e-mail.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *